11.7.11

Verões de infância1 # Nazaré

Quando era miúda ia sempre para a Nazaré, era a praia mais próxima...e no fundo a praia de todos os ribatejanos.  

O que tinha de bom (ou de mau, depende da perspectiva) é que encontravas sempre alguém conhecido…toda a gente da minha terra ia para a Nazaré.
Por vezes, sabe bem praias com agitação à volta e a Nazaré tem isso. Lembro-me que na hora de almoço quando estávamos a fazer a digestão sempre podíamos ir dar uma volta e ver :

as lojas e barracas

as nazarenas (as melhores relações públicas no turismo)

(nunca esqueci o zimmer... única palavra ou quase que sei em alemão)

o peixe a secar ao sol ( quem comerá aquilo, humm.)

O sitio


Levantávamos de madrugada, o caminho ainda era longo e as estradas não eram as melhores. Nessa altura, eu e os carros não nos dávamos muito bem…e havia sempre ali uma parte da viagem em que havia enjoo e vomitanço. Acho que era particularmente numa zona de eucaliptos… esses que ainda hoje lhes detesto o cheiro.

Chegávamos ainda cedo…tipo antes das 9h… e o tempo na Nazaré era sempre imprevisível. Tinha para mim uma teoria que o tempo na Nazaré era o sempre contrário ao tempo que fazia na minha terra. Se em Minde estava sol quando saíamos de casa, era porque na Nazaré estava nublado e vice-versa.  

todas as fotos do blog Nazaré Imagens com palavras

Mas o que era mais significativo na Nazaré? O mar “bravio”. Muita água salgada bebi nessa altura, muito enrolanço nas ondas, na minha perspectiva gigantescas e ferozes. E a água…gelada! Apesar de andar lá enfiada, aquilo era uma experiência traumática às vezes…embora divertida na maior parte dos casos.

4 comentários:

Lacorrilha disse...

Eu estive lá há pouco tempo a matar saudades. O que eu me ri com algumas nazarenas. Aquelas mulheres têm uma energia inesgotável.
Adooooro a Nazaré.

...Ju... disse...

recordações dos verões da infancia são do melhor que há!

Mami ( Sónia ) disse...

Nunca lá fui, mas tenho curiosidade...quem sabe lá para Setembro já consigo dar lá um pulo :)

Ana Sousa disse...

Põe bravio nisso, apanhei com cada susto. Adorei a expressão "as melhores relações públicas" para as nazarenas que eu bem me lembro que elas mandaram (mais que uma vez) um meu pai "ao cara***" literalmente com todas as letrinhas. São as maiores. Bj