31.12.15

Balanço de 2015...







Final do ano e fazemos todos o balanço do ano que passou e começamos a formular objetivos para o ano seguinte. É apenas a continuação do calendário mas acaba por ser a renovação da esperança, que nos dá alento e energia para os meses seguintes, para enfrentarmos a rotina durante mais uns tempos, com o sonho de novas oportunidades.

Apesar de ter feito uma lista de objetivos muito práticos para 2015, mesmo assim só devo ter cumprido metade. Contudo, as melhores coisas do ano são sempre aquelas que não se previram. No entanto, é bom tem um ponto de partida e ficar contente com as pequenas coisas que conseguimos.

A nível profissional foi um ano de crescimento. Adquiri experiência e competências que não tinha. Analisei candidaturas a fundos comunitários (e gostei muito), acompanhei projetos estruturados, aprendi sobre planificação, sobre monitorização de resultados, sobre o poder local. Quase no final do ano, a minha coordenadora saiu e fiquei sozinha. Para 2016 prevejo um declínio da minha serenidade, sei que vão surgir novos desafios embora não sejam os que me interessam. Deixa-me triste a direção que a instituição está a tomar e as prioridades assumidas, que já não vão de encontro às minhas. Neste sentido não tenho esperança de melhoras no futuro próximo. Talvez seja a altura de analisar a minha carreira e ver que rumo tomar, algo que era um objetivo para 2015 e acabei por não fazer por ter sido um ano muito interessante.

A nível familiar, também foi bastante bom. Acompanhei o crescimento da minha filha, sem incidentes pelo meio, muitas gargalhadas e brincadeiras. Ninguém da família morreu ou ficou gravemente doente, o que por si só já faz de 2015 um bom ano. No entanto, surgiram pequenos conflitos mais vezes, devido basicamente ao cansaço extremo. Aprecio as pessoas que conciliam bem todas as esferas da vida e sempre com energia…eu não consigo… concilio o melhor que posso, mas tenho sempre a sensação que precisava de um “red bull”.

O primeiro objetivo da minha lista que era viajar para o estrangeiro não se concretizou…por isso vai continuar na lista para 2016. Preciso mesmo de ver coisas novas, ouvir outras línguas, outras formas de pensar…até para conseguir colocar as coisas em perspetiva e para valorizar o dia-a-dia.

Que plano terá para mim o destino em 2016? Não sei. No entanto, a palavra que escolho para me guiar no próximo ano é SERENIDADE. Sei que vou ter novos desafios e exigências, que me vão fazer ficar ansiosa e no limite, e eu só espero encontrar energia e sabedoria para lidar com tudo. Quero ter força para dizer “Não” quando a situação o exigir, saber expressar os meus sentimentos e manter a minha saúde mental.

E quero paz, e tempo para mim.







13.11.15

Casas de escritores...de Saramago a Pessoa

Na ultima semana tive um dia de folga e aproveitei para passear por Lisboa, algo que já não fazia há muito tempo.

Andei pela Graça, Alfama, e fiz uma paragem estratégica na Fundação José Saramago, na Casa dos Bicos, que tinha vontade de conhecer há muito tempo.

E a visita não desiludiu, está excelente. Conseguimos perceber todo o percurso de José Saramago, de serralheiro mecânico a escritor. Podem espreitar  a autobiografia. Há um destaque a todos os seus livros, o contexto de onde surgiram, o que Saramago disse sobre ele. Há fotos, vídeos, objectos pessoais, várias agendas do escritor. Deu-me imensa vontade de ler mais livros de Saramago. É sem dúvida um dos meus autores preferidos.
Mais informações aqui


O bilhete custa 3€ e, como têm uma parceria com a Casa Fernando Pessoa, se visitarmos esta última no prazo de 10 dias, o bilhete só custará 1€.

Eu aproveitei. À tarde resolvi ir à Casa do Fernando Pessoa, até porque queria passear por Campo de Ourique. No entanto, esta Casa foi a desilução total. Muita pouca informação, quem não conheça Fernando Pessoa fica a saber basicamente o mesmo. Há o quarto onde viveu, que é o que acaba por ser mais interessante, e depois são basicamente computadores com informação...que poderias aceder na net. Havia uma exposição temporária sobre a Revista Orpheu que dominava a casa, mas nada de realmente interessante. Tanta coisa que podia ser feita, explorar os heterónimos, explorar a obra (havia sempre o mesmo poema pela casa toda...apenas 1 quando tinha milhares), o interesse por astrologia,...nada. Pareceu-me que só vale a pena visitar a casa com uma visita guiada.
Mais informações aqui



9.10.15

Eficiência admnistrativa...



Fiz o Cartão de Cidadão em 8 minutos. Tinha feito marcação online dois dias antes, para as 12h30, cheguei às 12h25, sentei, confirmei os dados, tirei 3 fotos, assinei, registei impressões digitais, paguei...saí às 12h33.

Que todos os serviços fossem assim.

6.10.15

Aviso aos ciumentos





Espiar o telemóvel do cônjuge deu dois anos e meio de cadeia em Espanha.

Ver notícia aqui

5.10.15

Frustrações laborais...



Estar aqui sem fazer nada porque estou à espera do trabalho de outra pessoa. Ainda por cima essa pessoa não tem culpa e estou a pressioná-la.

Irrita-me quando em julho avisei que se devia começar a fazer o trabalho, com calma, para o projeto ser lançado em setembro. Estamos em outubro e nada está feito, tudo atrasado, e eu sem poder fazer nada.

Depois vai sobrar para mim, que andarei estressada para tudo correr bem.

Só gostava que as chefias valorizassem o trabalho das pessoas e planeassem tudo com a devida antecedência.


Depois admiram-se da baixa produtividade dos portugueses. No entanto, quando emigram são trabalhadores espectaculares lá fora. Talvez, então, o problema da baixa produtividade, esteja nas chefias e nas estruturas organizacionais portuguesas e não nos trabalhadores.



28.9.15

Finanças e dúvidas existenciais...




A semana passada pedi uma senha para o site das Finanças, para a minha filha... parece que temos de ir lá conferir as faturas que são passadas com o NIF dela. A miúda nascer já como contribuinte até já me habituei... o que foi mais perturbador foram as perguntas que as Finanças fazem em caso de não me lembrar da password.

- Qual o seu livro preferido?
- Qual o seu filme preferido?
- Qual a sua música preferida?
- Qual a sua cor preferida?
- Qual a sua peça preferida?
- Qual a sua série televisiva preferida?
- Qual o seu destino de férias preferido?

Ora, fiquei angustiada porque nunca fui boa para responder a este tipo de perguntas.

Não consigo escolher só uma hipótese. É que que não tenho só um livro preferido, ou o meu filme preferido hoje pode não ser o mesmo amanhã, e as séries, depende do que está a passar no momento na televisão...

De certeza que nunca irei recuperar esta password.

Seria pedir demais colocarem aquelas questões que não mudam, tipo:

- Qual a terra onde nasceste?
- Qual o mês de nascimento do teu pai?

...


Obrigada

21.9.15

despedida do Verão?


E ontem foi o melhor dia de Verão que tive este ano... calor sem exagero, praia sem vento, água mais quentinha que o habitual.

Fonte da Telha

Deve ser para servir de despedida à época balnear... é que esta semana já começa o Outono.

18.9.15

Les Voyageurs...

Descobri recentemente o trabalho do artista francês Bruno Catalano e fiquei apaixonada principalmente pela coleção de esculturas de bronze "Les Voyageurs".


São tão bonitas e tão simbólicas...que me emociono só de ver em fotografia.




15.9.15

Unbelievable...








Não estou a acreditar que os líderes europeus ainda não decidiram o futuro dos milhares de refugiados que chegaram à Europa. Nova reunião marcada para amanhã? Não!!!!! Para dia 8 de outubro!
Surreal...


14.9.15

Coisas que irritam...pessoas superorganizadas

Li esta crónica a semana passada no jornal e é tão boa que tenho de publicar. 


11.9.15

Há dias assim...




 Há uns tempos estava a filosofar sobre a passagem dos dias e uma amiga falou-me de um livro infantil, que o filho tinha, que se chamava "Um livro para todos os dias".

Um dia destes encontrei-o numa livraria e fiquei rendida, teve de vir comigo para casa. E não, não é para a minha filha, é mesmo para mim.

É tão, tão simples mas tão terapêutico e delicioso, que ganhou um lugar permanente na minha mesa de cabeceira. Passou a ser a minha Bíblia, um balão de oxigénio para os dias difíceis.




 

"Há dias tão grandes que parecem um mês inteiro. Há dias que passam num abrir e fechar de olhos.

Há dias para esquecer. Há dias para lembrar.

Há dias simples. Há dias, meu Deus, que são uma confusão.

Há dias em que só pensamos no futuro. E dias em que temos saudades de quase tudo.

Há dias reais. Dias irreais. E dias surreais. (...)
Há dias e dias. E dias que não são dias.

Há dias que deviam durar para sempre.

Há dias que já lá vão. Há dias que nunca mais chegam.

Há dias em que contamos os dias para as férias. (...)"

9.9.15

O elefante que é um cão...







 Não consigo convencer a minha filha de quase dois anos, que o animal que aparece nesta imagem é um elefante.

Para ela é um cão e não há volta a dar.

 Já tentei de todas as maneiras...imagens, vídeos, canções, sons de animais, peluches e até já fomos ao Jardim Zoológico.

Rendo-me. Até eu já acredito que é mesmo um cão.



8.9.15

Momento de serviço público...para quem pensa viajar


Descobri há pouco tempo um site muito interessante ao nível da programação das viagens.




Em vez de andarmos a ver as viagens no Edreams ou nos diferentes sites das companhias áreas e depois no Booking para ver o alojamento, e andar a fazer continhas de tudo para ver quanto dá no total, e depois apanhar a desilusão de que afinal sai fora do orçamento, há um site que agrega tudo isso.

O Tripaya torna essa tarefa bem mais fácil. Basta colocar a origem, as datas de ida e volta, o tipo de viagem que pretende (praia, neve, romance, etc.) e, o ponto realmente diferenciador deste site, é que se coloca o valor máximo que se está disposto a pagar . Em poucos segundos, o site aponta no mapa os diferentes locais possíveis com o valor que temos.

Ainda não comprei efetivamente viagens neste site, por isso não sei se realmente na prática o serviço é bom, mas acho a ideia fantástica e de vez em quando vou lá dar uma vista de olhos.  Parece que "Bruges" é um bom destino para mim e eu nunca tinha pensado nisso.

Vantagem: é gratuito.

Inconveniente: é só para a Europa por enquanto.

Curiosidade: foi criado por quatro jovens portugueses.


7.9.15

Recomeçar...




Deve ser por ser início de setembro, sensação de novo ano, que vários blogues que costumava ler há anos ou meses atrás parece que ressuscitaram, tal como o meu. Bem-vindos de volta...espero que tenhamos todas energia para andarmos por cá mais uns tempos.

3.9.15

a espera mata...



Está-me a fazer espécie a demora que a UE está a ter para reunir e arranjar uma solução conjunta. Reunião só dia 14 de setembro, com as centenas de mortes por dia e os milhares de refugiados a chegar?

Será que não acham que é grave? Haverá assunto mais importante neste momento?

Depois os governos de cada país em vez de se organizarem, ficam à espera de diretrizes, tudo supermoroso.

O que vale ainda é que temos uma sociedade civil que é rápida a responder e se está a organizar. Abençoada. Têm todo o meu apoio, farei o que tiver ao meu alcance para ajudar.


2.9.15

Custa tanto voltar ao trabalhooooo...








Voltei ao trabalho a semana passada mas ontem tive de tirar o dia de férias. Hoje custou-me 1000 vezes mais voltar ao trabalho. Em agosto, como estava tudo calmo e quase toda a gente de férias foi um regresso tranquilo. No entanto hoje, não sei de é por ser início de setembro, uma espécie de início de “ano letivo” laboral que está a dar-me uma ansiedade enorme. 

Contudo, parece que é normal, disseram-me que até há tipo um “síndrome pós-férias”, em que os sintomas são insónia, irritabilidade, ansiedade, falta de concentração. Devo estar mesmo a sofrer deve síndrome.
Passei o ano todo a sonhar com as férias, fiz sacrifícios durante o ano a pensar que depois aproveitaria as férias em grande. Contudo, isso não aconteceu. Este ano as minhas não foram grande coisa, não fiz nada de diferente, não aprendi nada de novo (e pelo caminho a minha filhota ainda apanhou varicela), então fiquei com a sensação que não  foram férias mas mais um fim de semana prolongado…o que também não está ajudar neste regresso.

Só espero que esta sensação não dure muito tempo.

3.6.15

Amigos

Este poema é tão bonito que tenho de partilhar.


"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto
e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor,
eis que
permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor,
que
tivessem morrido todos os meus amores,
mas
enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ... 
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. 
Mas, porque não os procuro com assiduidade,
não posso
lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar.
 

Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabemque estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. 
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro,
embora não declare e não os procure.
 

E às vezes, quando os procuro,
noto que eles não
tem noção de como me são necessários,
de como são
indispensáveis ao meu equilíbrio vital,
porque eles
fazem parte do mundo que eu,
tremulamente, construí,
e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.Se todos eles morrerem, eu desabo!Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é,
em síntese, dirigida ao meu bem estar.
Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos,
cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim,
compartilhando daquele prazer ...
Se alguma coisa me consome e me envelhece
é que a roda
furiosa da vida
não me permite ter sempre ao meu lado,
morando comigo, andando comigo,
falando comigo, vivendo
comigo, todos os meus amigos, e, principalmente,
os que só
desconfiam - ou talvez nunca vão saber -
que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os."
 
Vinicius de Moraes   

21.4.15

work, work, work

Tanto por dizer e tão pouco tempo para passar por aqui....
Volto em breve...prometo.


2.4.15

Março - ponto de situação



A falta de tempo e o cansaço têm-me impedido de vir aqui dar um ar da minha graça. No entanto, pelo menos tinha que vir fazer um breve resumo do mês de Março para memória futura.
Assim sendo e tentando cumprir alguns dos objetivos definidos no início do ano,

- Passear em família (e/ou amigos) ou a trabalho, quando dá para aproveitar um bocadinho:

Centro EVOA – Vila Franca de Xira – Lezíria do Tejo

Pic nic na Arrábida – Portinho da Arrábida

Minde

Sintra: Praia Grande, Cabo da Roca e Palácio da Vila
Azeitão: caves José Maria da Fonseca  e tortas (fui mesmo fã destas últimas)



- Leituras: Comecei 2 livros e não acabei nenhum e já os entreguei na biblioteca: O Retrato da Mãe de Hitler e Os Transparentes.

- Fazer voluntariado. Fui a umas reuniões da Associação de que faço parte e contribui com umas ideias, fui assinado contrato para nova sede.

- Investigar mais alguma coisa da minha árvore genealógica. Não investiguei parentes propriamente mas fui à terra da minha mãe e dos meus avós maternos (Casével)  e tirei fotos às casas onde viveram. 

-  Fazer mais elogios às pessoas de que gosto. Ando a tentar, fiz um workshop de liderança positiva e ando a ler um livro também sobre parentalidade positiva. Haja positividade!

-  Escreve no blog pelo menos uma vez por semana. NOT

- Rir e amar muito. SEMPRE

- Outros apontamentos: Filhota teve uma semana doente. Foi o Dia no Pai e no infantário tivemos direito a teatro de fantoches e a desenho de um peixe (e o seu processo artístico).

3.3.15

Fevereiro em imagens # 2

O que comi...

Queijadas de Sintra: descobri que a melhores são as da SAPA (perto dos Paços do Concelho de Sintra).




Panquecas americanas: Fui ao 50's no Parque das Nações...andava com desejo de comida americana... mas ainda não foi verdadeiramente satisfeito

Hamburguer de feijão preto: Não tirei foto mas era muito bom. Restaurante O Navio, na Praia de Santa Cruz

Hamburguer em bolo de caco: no mercado de fusão no Martim Moniz, um dos melhores hamburguer que tenho comido.

Pizza: na Cappriciosa em Cascais com vista para o mar :)