30.12.16

Objetivos para 2017...

  1. Viajar para outro país (1/ano)
  2. Passear em família (1/mês) 
  3. Ler 12 livros, incluindo de países diferentes e tirar notas (1/mês)
  4. Ter um dia por mês só para mim, sozinha (1/mês)
  5. Cozinhar receitas de outros países (1/trimestre)
  6. Fazer refeições vegetarianas (1/semana)
  7. Comprar menos alimentos processados e mais bio 
  8. Comer menos doces, encontrando alternativas mais saudáveis 
  9. Não beber refrigerantes
  10. Usar menos plásticos e coisas descartáveis
  11. Ter um consumo mais consciente, tentando perceber a origem dos produtos
  12. Destralhar (1/mês)
  13. Doar tempo ou dinheiro a uma causa em que acredite (2x/ano)
  14. Atividade cultural – teatro, museu, música, cinema (1/mês)
  15. Criar alguma coisa nova (1/ano)
  16. Tirar a carta de condução (1)
  17. SPA e noite em hotel a dois (2x/ano)
  18. Mimar a minha relação amorosa (1/mês)
  19. Investigar mais um pouco a árvore genealógica (1/ano)
  20. Fazer elogios às pessoas que gosto (1/mês)
  21. Escrever sobre as coisas bonitas que vejo e agradecer o que tenho (sempre que possível)
  22. Cuidar da minha imagem(1/mês)
  23. Levar o trabalho menos a sério
  24. Dizer o que penso mesmo que seja incómodo, mas refletir antes sobre as consequências
  25. Escrever no blog pelo menos quinzenalmente (26 posts/ano)
  26. Ir à Zumba, andar ou meditar 5 minutos (1/semana)
  27. Encontrar ferramentas para combater as minhas fraquezas
  28. Criar rituais e recordações para a minha família
  29. Ter mais paciência e disponibilidade para todos
  30. Ter um fim de semana com amigas (1/ano)
  31. Ser uma amiga mais interessada e presente
  32. Experimentar algo novo
  33. Fazer lista de coisas giras que já fiz na vida (1)
  34. Personalizar a decoração da minha casa
  35. Encontrar outra fonte de rendimento
  36. Enviar CV para ver como está o mercado
  37. Fazer “flor” das minhas competências
  38. Escrever uma carta pessoal
  39. Imprimir álbuns de fotografias
  40. Backup e organização do pc (1/ano) 
  41. Fazer limpeza anual profunda 
  42. Fazer um ponto de situação destes objetivos (1/mês)
  43. AMAR E CUIDAR DA MINHA FILHA e da FAMÍLIA, sempre e acima de tudo
  44. Usar a Oração da Serenidade como mantra diário
  45. SER FELIZ :) (sempre)

Objetivos 2016...falhados ou talvez não...





Da minha lista de objetivos que publiquei no início do ano para 2016, muitos não foram realizados... Mas também não faz mal, outras coisas surgiram.

Não viajei para outro país, para grande pena minha, mas pelo menos andei por cá e até percorri o país de lés a lés, já que em Agosto fui de Portimão a Bragança. Para além disso andei por: Setúbal, Grândola, Santiago do Cacém, Sines, Porto Côvo, Serra da Estrela, Belmonte, Monte Real, Portalegre, Aveiro, Ílhavo, Ovar, Santa Maria da Feira.

Fui ao Teatro (infantil), concertos (Panda, Palavra Cantada, Carminho, Deolinda,...), fui ao cinema 4 vezes (é um record nos últimos anos) e visitei alguns museus: Museu do Oriente, Museu da Etnologia, Museu Marítimo de Ílhavo, Museu Municipal de Portalegre (visita privada), Palácio da Ajuda,...

Tinha proposto arranjar um novo hobbie mas, em vez disso, arranjei um novo desafio a longo prazo, que me dá uma perspetiva mais alargada e correta do mundo: Ler um livro por cada país do mundo.  Assim, li livros do Irão, Moçambique, Costa do Marfim,  Argélia, Líbano, Angola...

Para além disto, ao longo do ano tentei levar uma vida mais minimalista e como preâmbulo andei a ler livros sobre o assunto.

Nessa onda comecei a destralhar a minha casa, o meu roupeiro e a minha vida mas continua a ser um objetivo para o próximo ano.

Pensei que 2016 seria um ano de serenidade mas acho que a nível do trabalho foi mais de "nervos", embora me tenha permitido ganhar auto-confiança. Fiquei sozinha num gabinete, 6 meses, a aguentar as pontas, passei por uma fusão, e percebi que no fundo percebia mais de alguns assuntos do que muita gente à minha volta. Esta comparação permitiu-me ver que sou competente, inteligente, intuitiva, e que consigo prever as situações a longo prazo. Só percebi isso melhor porque descobri que há muita gente incompetente embora com ar que são sabedores, que os chefes só se interessam pelas aparências e não percebem nada os problemas reais e que ninguém tem coragem para assumir os seus próprios erros. 

Fiz apresentações em público (os Deuses sabem que tenho pavor), uma com altos dirigentes no programa. Expliquei o meu trabalho a um ministro e uma secretária de estado. Conclusão, saí mesmo da minha zona de conforto.

Atualizei o meu CV e enviei para 2 ou 3 sítios, sem sucesso. Fiz formações em "Conceção, Gestão e Avaliação de Projetos", "Construção de processos de candidatura à luz  dos requisitos dos Fundos Financiadores" e "Concretizar para Resultados".

O ano familiar fica marcado pela emancipação da minha filha de 2 anos: partiu o dedo mas reagiu com coragem (março), deixou de mamar (abril), largou a chucha (julho), deixou as fraldas durante o dia (outubro) e desenvolveu imenso a linguagem (começou a fazer frases e ligações espetaculares). Lemos dezenas de livros infantis, fizemos dezenas de atividades, demos milhares de beijos e abraços...que os 3 anos tragam outras conquistas e que continue fofa como é.

Agora vou ali fazer a minha lista de objetivos para 2017.

12.12.16

O Herói de Hacksaw Ridge




 O filme "O Herói de Hacksaw Ridge" conta a história verídica de Desmond Doss, objetor de consciência durante a II Guerra Mundial, que queria servir o seu país em tempo de guerra mas que não queria pegar numa arma.


Adventista do Sétimo Dia e com episódios de violência doméstica que o marcaram (quase matou o irmão numa luta em criança sem querer, e teve vontade de dar um tiro ao pai quando este batia na mãe) negou matar alguém mas teve de batalhar para que o exército o deixasse ir para a frente de guerra, como socorrista desarmado.

As cenas de guerra, que representam a invasão de Okinawa, é muito realista, talvez das representações mais reais que já vi em filmes. Chegou a uma altura que já não aguentava tanta violência, mas gostei bastante, porque só assim refletimos verdadeiramente sobre os conflitos passados e atuais.

Do meio da violência, surge o humanismo, já que Desmond Doss, depois de uma retirada das tropas americanas, volta para salvar sozinho 75 soldados feridos em combate, que de outra forma teriam morrido sozinhos e em sofrimento atroz.


“O Herói de Hacksaw Ridge” é um filme sobre a fé, espírito de missão, coragem e altruísmo.  No final, aparece o verdadeiro Desmond Doss e alguns companheiros a dar alguns testemunhos, o que une ainda mais o filme todo.

Saí do cinema super inspirada, a pensar que devemos lutar sempre pelos nossos ideais, independentemente das consequências. E de ajudar os outros, sempre.

6.12.16

Cartas Cruzadas






Acompanho o blog Chá&Girassóis há já algum tempo. Identifico-me muito com a Mariana Neves, que procura levar uma vida mais sustentável, preocupada com as pessoas e com a Natureza.

Ela tem um projeto que se chama "Cartas Cruzadas", em que envia cartas a quem se inscreve na iniciativa. Ela adora escrever e receber cartas e deu-se conta que que havia pessoas que nunca tinham recebido cartas pessoais na sua vida. Então, desde 2012, decidiu enviar cartas a desconhecidos que no fundo acabam por se tornar amigos porque como ela diz "as cartas são uma ponte segura que cruza duas pessoas num caminho cheio de carinho, detalhes e partilha".

Admiro a dedicação da Mariana que escreve dezenas de cartas personalizadas. Inscrevi-me porque me fez sentido e porque adoro receber surpresas na minha caixa de correio, para além das contas. Estava à espera de uma carta talvez mais padronizada, mas não, a Mariana escreveu aquela carta mesmo para mim, sentia-a muito íntima, calorosa e verdadeira...mesmo sem me conhecer.

Alegrou decididamente a minha semana. Agora só quero ter um bocadinho de tempo para me sentar calmamente e lhe responder da mesma forma.


2.11.16

Porque hoje é Dia dos Finados ...


Acho que nada representa melhor este dia do que o início do filme "Volver" de Pedro Almodôvar.

Faz-me sentir em casa.

Toda a vida vi as mulheres irem ao cemitério, limpar e enfeitar as campas, pôr velas, ir à missa no início da noite, ir depois  ao cemitério em romaria e esperar que não chova, nem faça vento para que as velas estejam todas acesas....e claro, homenagear os mortos.



31.8.16

Casa Arrumada..

Minimalismo mas não levado ao extremo. Este texto do Carlos Drummond de Andrade diz tudo sobre a minha casa:

"Casa arrumada é assim: Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa entrada de luz.

Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não centro cirúrgico, um cenário de novela. Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os móveis, afofando as almofadas… Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo: Aqui tem vida…


Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar. Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha. Sofá sem mancha? Tapete sem fio puxado? Mesa sem marca de copo? Tá na cara que é casa sem festa. E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.


Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde. Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante, passaporte e vela de aniversário, tudo junto…


Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda. A que está sempre pronta pros amigos, filhos… Netos, pros vizinhos… E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca ou namora a qualquer hora do dia.


Arrume a casa todos os dias… Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo para viver nela… E reconhecer nela o seu lugar.
"

30.8.16

Minimalismo...




Acho que sempre fui uma pessoa minimalista (antes diria que era "básica" mas resolvi fazer um upgrade seguindo as nova tendências).

Nunca fui pessoa de acumular muito, comparativamente com outras pessoas que conheço, até porque sou um bocado "forreta" e por isso não sou uma consumidora compulsiva. No entanto, sabe-se lá como, continuo a acumular coisas que muitas vezes não preciso, utilizo ou gosto.

Principalmente agora, que tenho uma casa pequena e com pouca arrumação, faz-me confusão não ter onde arrumar as coisas fundamentais, mas ter os armários cheios sabe-se lá de quê.

Pensamos que um dia vamos precisar desse item ou aquele mas depois acabamos por nunca usar.

Talvez por ser setembro dá-me a sensação de ano novo e apetece-me recomeçar o "ano lectivo" com uma vida mais leve e mais simples. Destralhar a casa ajuda a destralhar a alma, mesmo para uma pessoa como eu que nunca foi muito dada à organização e às limpezas.

Por isso, nos próximos tempos, vou simplificar a minha casa e a minha vida, aos poucos, sem radicalismos, sendo um desafio para mim própria mas sem pressões.

Vou criar algumas regras do tipo - se não uso há mais de um ano, vai embora -. Vou largar aquilo que não me dá algum tipo de "alegria" (ler os livros de Marie Kondo) ou utilidade.

Por isso, boa sorte para mim ...


28.7.16

O Verão e a obsessão com as dietas

No Verão, não se aguenta o mulherio todo só a falar de dietas.
Esta deve ser mesmo a única dieta em que acredito.



"Pequenas mudanças que podem fazer toda a diferença

Perder peso pode parecer um pesadelo, mas se fizer algumas alterações no seu dia-a-dia pode estar a preparar o caminho para perder 10 quilos ou mais.
A revista Women’s Health fez uma lista com as mudanças que deve fazer para alcançar um peso saudável:
1 - Definir um plano a longo prazo
2 - Começar pelo essencial e só depois passar para os pormenores (exemplo: comece por comer mais vegetais e elimine alimentos processados e açucarados. Só depois deve explorar as alternativas mais específicas)
3 - Não ficar obcecado com a balança
4 - Adotar hábitos que ajudam a perder peso (exemplo: não usar o elevador e andar enquanto fala ao telefone)
5 - Cortar calorias progressivamente
6 - Levantar pesos
7 - Amar o seu corpo (ter a autoestima em baixo não o vai ajudar em nada)"


Fonte: Jornal I online

27.7.16

A árvore das chuchas


A Árvore das Chuchas - Quinta Pedagógica dos Olivais, Lisboa



Ontem foi um dia histórico cá em casa: tirei a chucha à minha filhota. Ela tem 2 anos e meio e andava completamente viciada, se pudesse andava todo o dia com a chucha. Tomei coragem e escondia-a. Pensei em fazer gradualmente, comecei por explicar-lhe, comecei a prepará-la mas não estava a resultar, não ligava nenhuma. Coloquei limão na chucha, nada. Disse que era para bebés, nada.

Ontem tomei coragem e puff....desapareceu. Entre justificações como "perdemos a chucha", o "monstro levou-a", a que colou melhor ainda foi que a "chucha" está na Árvore da Quinta Pedagógica dos Olivais e que ela conhece tão bem, porque todas as semanas lá vai.

Mesmo assim foi difícil, houve muita choradeira. Cortou-me o coração...mas teve mesmo de ser.


Quanto à Árvore, penso que a ideia foi importada da Noruega, onde as chuchas são penduradas em árvores de jardins públicos e acompanhadas por cartas de despedida, numa espécie de ritual de passagem, e assim as crianças podem sempre ir visitá-las quando tiverem saudades. Na maioria dos casos são os próprios miúdos que colocam na árvore como processo de emancipação mas no meu caso não foi possível, mas acho que é uma óptima sugestão.



19.7.16

Volta ao mundo em 193 livros



http://voltaaomundo193livros.blogspot.pt/

E para arrumar toda a informação sobre o desafio de ler um livro por cada país do mundo, criei o blog Volta ao mundo em 193 livros.

Vamos ver se consigo ir atualizando os 2 blogues.