31.3.11

Como me apetece sair daqui...

Acordei a pensar em Istambul...vou ali ver o preço das viagens...já volto.



29.3.11

Pés enfaixados...

Comecei a ler recentemente o livro "Cisnes Selvagens", da autoria de Jung Chang, e já estou a adorar. Conta a história de 3 gerações de mulheres de uma família chinesa durante o século XX, dando uma visão histórica e social muito interessante, e desconhecida para mim, da sociedade chinesa e do início do regime comunista.

Até agora uma das passagens que mais me marcou foi o costume de enfaixarem os  pés das mulheres chinesas há algumas décadas atrás, que já tinha ouvido falar, mas não tinha ainda imaginado. Aqui fica a descrição apresentada no livro:


"O seu grande valor residia, porém, nos pés enfaixados, chamados em chinês «lírios dourados com oito centímetros»(san- tsun - gin- lian). (...) A visão de uma mulher a caminhar vacilantemente sobre uns pés enfaixados tinha supostamente um efeito erótico nos homens, em parte, sem dúvida, porque a vulnerabilidade dela despertava em quem a via um impulso protector.

Tinha a minha avó dois anos quando lhe enfaixaram os pés. A mãe, que também tinha pés enfaixados, começou por enrolar-lhe à volta dos pés uma tira de pano com cerca de seis metros de comprimento, dobrando todos os dedos, excepto o grande, para dentro e para debaixo da planta. Depois pôs-lhes uma grande pedra em cima, para esmagar o arco. A minha avó gritou de dor e suplicou-lhe que parasse, e a mãe teve de meter-lhe um pano na boca, para amordaçá-la. A infeliz desmaiou diversas vezes, devido à dor.


O processo demorava anos. Mesmo depois de os ossos terem sido partidos, os pés tinham de continuar enfaixados, dia e noite, em tiras de pano, pois no momento em que fossem libertados, tentariam recuperar. Durante anos, a minha avó viveu cheia de dores terríveis e constantes. Quando suplicava à mãe que lhe tirasse as faixas, ela chorava e dizia-lhe que isso arruinaria toda a sua vida futura, e que fazia aquilo pela felicidade dela.


Naqueles tempos, quando uma mulher casava, a primeira coisa que a família do noivo fazia era examinar-lhe os pés. Uns pés grandes, ou seja, uns pés normais, traziam vergonha para a casa do marido.(...)


O costume de enfaixar os pés foi introduzido na China há cerca de mil anos, segundo se diz por uma concubina do imperador. Além de a visão das mulheres a coxear sobre uns pés minúsculos ser considerada erótica, os homens excitavam-se a acariciar os pés enfaixados, que permaneciam sempre escondidos nuns sapatinhos de seda bordada. As mulheres não podiam tirar as faixas mesmo depois de adultas, pois os pés começariam a crescer novamente. Só à noite, na cama, lhes era possível aliviar temporariamente o tormento, afrouxando um pouco as tiras de pano. Calçavam, então, uns sapatos de sola macia. Os homens raramente viam nus uns pés enfaixados, que estavam geralmente cobertos de carne apodrecida e exalavam um cheiro horroroso quando se retiravam as faixas. (...) A dor era provocada não só pelos ossos partidos, mas também pelas unhas, que cresciam para dentro das pontas dos dedos.

Na realidade, os pés da minha avó tinham sido enfaixados precisamente na altura em que a prática estava prestes a desaparecer para sempre. Quando a irmã dela nasceu, em 1917, o costume tinha sido praticamente abandonado, de modo que conseguiu escapar ao tormento."  Jung Chang

28.3.11

Not there yet....

Ando fã desta miúda...

dançar na passadeira...

Ontem à noite estive a ver o filme A Bela e o Paparazzo. É levezinho mas tem algumas personagens secundárias geniais, nomeadamente o Nuno Markl (acho que a fazer quase dele próprio) e a Maria João Luís.

Gostei que se passasse na ruas de Lisboa...mas adorei mesmo foi a cena dos protagonistas dançarem descalços numa passadeira do Rossio, numa noite de Verão...Também quero! :)

25.3.11

Ninho(u)

Vou à terrinha....volto Domingo...estou a precisar de mimos. :)

Porque Portugal não é só coisas más...


Portugal é o segundo país com melhores políticas de integração de imigrantes, num conjunto de 31 países (os 27 Estados-membros da União Europeia, Noruega, Suíça, Canadá e EUA) segundo os resultados do estudo MIPEX (Migrant Integration Policy Index) que avalia e compara políticas de imigração em diferentes países.

Portugal mantém assim a posição que já ocupava em 2007, tendo ainda conseguido aproximar-se mais do país que está em 1º lugar - a Suécia.

Já no Relatório de Desenvolvimento Humano de 2009 da ONU, Portugal foi o país com a melhor classificação (em 42) na atribuição de direitos e serviços aos estrangeiros residentes... estando na vanguarda na Europa e no Mundo nesta matéria.



Por isso, animem-se, nem tudo está perdido :)

Women by Botero



24.3.11

Só mais 2% que não custa nada...


Eu até estava a tentar ser Zen, a sorrir para o dia....mas ainda o outro mal caiu da cadeira, já o Passos anda a dizer que é possível que aumente o IVA para 24 ou 25%. Soa-me que não é assim que chega ao poder...

Happy day


Parece que o governo caiu, há greve de metro... mas está sol, estou bem disposta e já falei hoje com um grande amigo que não falava há muito tempo...Ainda bem que o mundo não é só política e economia :)

22.3.11

Ter, fazer...ser


«António Alçada Baptista (1927-2004) escreveu aos setenta anos uma autobiografia* de memórias começando por dizer: "Eu sou da burguesia da província onde nasci em pleno reino do ter. Agora estamos no reino do fazer, mas tenho uma certa esperança de que um dia se alcance o reino do ser". Na burguesia da infância de Alçada Baptista tinha-se (propriedades, bens, nome) quase sem se fazer nada. Agora "o que fazes?" é a pergunta-chave quando se conhece alguém, e está de tal forma associada ao verbo ter que quase se confundem. Essa fusão permitiu a democratização do "ter" e foi um passo imprescindível para uma evolução da nossa sociedade menos desigual e mais justa. Mas o fazer e o ter dominam agora de tal forma as nossas vidas que já se inscreveram no código genético do nosso ser.» in Visão - Sofia Vaz

Eu quero SER....

21.3.11

Censos Day


E esqueci-me que hoje também é o dia do Censos, dia de preencher os questionários que supostamente já receberam. Eu ainda não recebi, embora tenha um recenseador lá em casa...ironia do destino.
E para mais, houve uns tempos que tive de ir às reuniões de discussão dos Censos do INE representar a minha instituição (dada à seca total daquelas reuniões, passavam a bola para mim que sou a última da "cadeia alimentar"...não podia abrir a boca, nem votar...ia literalmente só ocupar lugar e ver se alguma coisa interessava) e lembro-me de uma discussão de uma tarde inteira a ver se se ia utilizar o termo BARRACA ou AGLOMERADO RUDIMENTAR DE MADEIRA...acho que ficou barraca.
Por causa disso acho que mereço passarem lá por casa ainda hoje para deixarem o inquérito e os códigos para preencher na Net, ok? Obrigada

Hoje é O dia

..ou melhor, os dias:

Dia Mundial da Floresta e Dia Mundial da Árvore (ONU)

Dia Mundial da Infância (UNICEF)

Dia Mundial da Poesia (UNESCO)

Dia Universal do Teatro

Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial (ONU)

Dia Mundial do Sono

Início do ano para os Bahai's

Ostara (comemoração do início da primavera - pagão)

Hoje é só festejar :)

17.3.11

inspiration please...

www.ralphtherobot.com

14.3.11

manif #2

Cidadãos participativos, são cidadãos políticos. Não estavam só jovens, estavam pais, avós e crianças. Estavam betos, anarcas, estudantes, lutadores, comunas, desempregados, desiludidos, sonhadores, esperançosos, estavam actrizes, cantores, poucos políticos.

photos by jeitoso


Havia protesto mas poucas sugestões de soluções. Primeiro o momento de catarse, depois a luta.
Não vamos deixar a onda passar...vamos continuar.

10.3.11

Manif...




Eu vou à manifestação do dia 12 de Março.

Pode não dar em nada, mas também não é uma revolução para mudar de regime político…gostamos da democracia, não gostamos é do neoliberalismo. Fico contente da minha geração se mexer… acho que tem andado meio adormecida, pelo menos uma parte dela.

Antes não acreditava que a mudança também se faz na rua. Comecei a acreditar com um pequeno episódio na faculdade. Tinham eliminado com a época especial de exames em Setembro, embora os alunos não concordassem com tal decisão. Depois de reuniões para definirmos o que queríamos e de reunião para discutir o assunto com o conselho superior. Sempre achei que não valeria de nada mas não é que deu resultados. A partir daí comecei a achar que juntos conseguimos mudar algumas coisas, que não nos devemos resignar ao poder instituído se não concordamos com ele.

Os organizadores pedem para levarmos uma folha com o problema e a solução para o mesmo. Bem, vou ali analisar e reflectir…ideias?

Campanha oriflame...como envelhecer uma pessoa


A Oriflame conseguiu transformar a Diana Pereira na mãe dela. A Diana é linda e fresca...não tinham uma fotografia melhor para esta campanha?

9.3.11

Mar de Minde...

photo by Rui Gonçalves

E pronto...hoje a minha querida Mariinha, do blog Uma mansarda em Lisboa, fez-me sorrir mais uma vez. Já me tinha dado tulipas (estão a crescer a olhos visto lá em casa), agora dá a conhecer um dos ex-libris da minha terra: o "Mar de Minde" como chamam por aí, ou o Polje (nome técnico) ou a "Mata" como nós lá em Minde chamamos.

Ide lá ver o post dela ou o site http://www.minde.eu/natura/polje.html e já agora aproveitem e vão a Minde :)

Centenário do dia da mulher....



Não tive perto da net este fim-de-semana mas não queria deixar passar em branco o Dia da Mulher. Não sou feminista mas porque houve alguém que lutou para que hoje em dia tivesse direitos e oportunidades.

Em 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocuparam a fábrica a fim de reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas de trabalho para um de apenas 10 horas. Estas operárias recebiam menos de um terço do ordenado dos homens. Estas foram fechadas na fábrica e houve um incêndio, e cerca de 130 mulheres morreram queimadas. Em 1910, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o dia 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher". A finalidade deste dia é relembrar a importância da igualdade entre géneros, contestando e evitando preconceitos há muito solidificados na sociedade.

Às vezes penso que se tivessem nascido há umas décadas atrás não tinha a liberdade e a independência que hoje tenho, e isso provoca-me arrepios (não poder viajar, não poder votar, não poder ter uma voz activa,…). Para muita gente este dia não faz sentido, mas ainda há várias coisas que precisam ser mudadas (nos mesmos cargos, as mulheres continuam a ganhar menos que os homens, por exemplo) mas nem que fosse apenas para lembrar a luta do passado não me parece mal que este dia continue a existir.

4.3.11

Voluntariado...



Toda a vida fiz voluntariado…como dizia o Gandhi temos de ser a mudança que queremos ver no mundo.

Andei em peditórios nas campanhas da luta contra o cancro, fiz companhia a idosos, participei em acções ambientalistas mas principalmente trabalhei com imigrantes  (que é a minha área de eleição). Neste momento estou a colaborar e a “idealizar” um projecto de sensibilização dos direitos e deveres no serviço doméstico, dado que há um desconhecimento geral da lei e demasiadas situações de abuso.

Um dia conto mais pormenores deste projecto, entretanto aqui fica o testemunho de uma empregada doméstica…só para balançar com as coisas que leio aí nos blogues…sempre a criticarem as “Marias”.  

3.3.11

Funny life...

Gostava tanto de ter mais tempo... acho um desperdício trabalharmos 8 horas por dia...

1.3.11

Bambu


Na filosofia chinesa:
 
-  o Bambu é o símbolo de firmeza e honestidade, sendo que a expressão “ Bambus no peito” significa uma pessoa que tem ideias seguras e firmes.

Após a sua plantação, o bambu demora 5 anos a romper da terra, embora se esteja a desenvolver nas suas profundezas, estando a ganhar uma raiz maciça e fibrosa.  Alguém escreveu que muitas coisas na nossa vida são parecidas com o bambu: trabalhamos, investimos tempo, esforço ...e às vezes não vê nada em semanas, meses ou anos. Mas depois um dia...vê-se esse crescimento.

O bambu ensina que não devemos facilmente desistir dos nossos projectos e dos nossos sonhos.

Persistência e Paciência !
 
É preciso muita fibra para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita flexibilidade para curvar ao chão.