Quem é que tu pensas que és?


Um dos programas televisivos que mais gosto actualmente, e que por acaso acho que hoje dá precisamente o último episódio- é o programa da RTP "Quem é que tu pensas que és".



Em cada episódio, uma personalidade diferente enceta uma intensa pesquisa sobre as suas origens e histórias familiares, com a construção e análise da sua árvore genealógica, que vamos acompanhando ao longo do programa. Simultaneamente vamos conhecendo a época em que viveram os antepassados destes "famosos" mas também recebendo pistas para conhecermos o nosso próprio passado.

Por exemplo, descobri que alguns arquivos distritais têm alguns documentos digitalizados e online (pena que não tenham os que preciso para investigar a minha própria família - Minde, Casével).

Sempre gostei deste tipo de coisas, histórias familiares e afins. No final do ano passado, devido ao lema deste blogue (escrever porque sou esquecida) resolvi começar a fazer um livro com a história da minha família. No Natal, andei a chatear os meus familiares para me darem dados, factos e mitos dos antepassados da família. Só é pena que não tenha começado há mais tempo, uma vez que a geração dos meus avós já morreu, e com ela morreram a maioria das histórias. 

Um dia, quando tiver tempo e dinheiro, vou procurar as certidões de nascimento, casamento e óbito. Entretanto vou insistindo com os vivos para me darem pormenores.

É muito giro perceber as épocas, os contextos, as profissões, as tragédias (ex: o meu tio-avô, casado, andava enrolado com a criada; quando ela quis acabar com o affair, matou-a e suicidou-se em seguida), os dramas (pela primeira vez ouvi falar numa trisavó que se chamava Martha, que teve um filho aos 25 anos, e depois voltou a engravidar aos 48 e aos 50 anos - que só por si é um feito -  mas que apenas por isso o filho primogénito cortou laços com a família), as alcunhas, as peculiaridades ( um trisavô, que tinha a alcunha de "Rimaleiro", usava samarra no Inverno mas também no Verão, dizia que guardava o frio e o calor), etc.

É bom ter asas...mas também é bom ter raízes, conhecer a nossa história, em que nossa identidade em parte se baseia. 


“Bendito aquele que consegue dar aos seus filhos asas e raízes”, diz um provérbio.

Precisamos das raízes: existe um lugar no mundo onde nascemos, aprendemos uma língua, descobrimos como nossos antepassados superavam seus problemas. Em um dado momento, passamos a ser responsáveis por este lugar.

Precisamos das asas. Elas nos mostram os horizontes sem fim da imaginação, nos levam até nossos sonhos, nos conduzem a lugares distantes. São as asas que nos permitem conhecer as raízes de nossos semelhantes, e aprender com eles.

Bendito quem tem asas e raízes; e pobre de quem tem apenas um dos dois." Paulo Coelho



Comentários

Analog Girl disse…
Já conhecia o formato do programa, mas não sabia que havia versão portuguesa da coisa. Também sou uma perdida pela História da minha família. Isso lembra-me que tenho de perguntar mais vezes às minhas avós sobre detalhes enquanto ainda as tenho. :)
Ana disse…
Eu vi o do Herman José e achei muito interessante! tenho um primo na familia que já fez essa pesquisa toda:)
beijinhos
M. disse…
Também gosto muito desse programa e espero que haja uma 2ª temporada. Eu sempre tive essa curiosidade e motivada pelo programa, já consegui através dos registos paroquiais online nos Arquivos Distritais, encontrar antepassados até ao meu 4º avô paterno.

Se tiveres oportunidade, vai pesquisando aos poucos, sempre descobres um pouco mais sobre a tua família, as tuas origens e sobre ti. :)

Mensagens populares deste blogue

E viva o 25 de Abril...

"Pessoas com vidas interessantes não têm fricote"

Calendário islâmico...