8.9.11

AS SERVIÇAIS


Se há temática que me toca e enfurece é o mundo do emprego doméstico. Não, nunca fui empregada doméstica mas de há uns anos para cá contactei com muitas e as situações que me foram contando (exploração, não cumprimento de direitos, demasiadas horas de trabalho não pago, acusações de roubo, humilhações, abuso sexual,…)  foram despoletando em mim uma certa revolta…e daí o projecto social em que estou envolvida com empregadas domésticas imigrantes.

Devorei esta semana o livro “As serviçais” (“Help” em inglês) e adorei. Passa-se nos EUA, nos anos 60, e centra-se na história, principalmente, de 3 mulheres.

Skeeter é branca, quer ser escritora mas quando acaba o curso volta para a terra-natal, onde a mãe e as amigas só pensam em casá-la. Começa a sentir-se incomodada com a naturalidade com que a discriminação é encarada e com o modo como o seu círculo de “amizades” trata as empregadas.

Aibileen é uma criada negra, que foi ama de dezassete crianças, educando-as quando os pais não lhes ligavam. No entanto, quando o filho morre nada volta a ser como antes. Minny, também criada e a melhor amiga de Aibileen, é conhecida como a empregada mais respondona da zona e começa a ganhar má fama entre as patroas. Hilly, a senhora branca líder da comunidade faz-lhe a vida negra.

Cansadas das humilhações (coisas como casas-de-banho separadas porque negros pegam doenças aos brancos), acusações e exploração, estas três personagens juntam-se para escreverem um livro anónimo onde contam todas estas histórias sobre as patroas, o bom e o mau.

Num tempo em que as pessoas de cor eram consideradas inferiores em todos os aspectos, não podiam frequentar os mesmos sítios dos brancos, este livro falar sobre discriminação racial, de classe e género mas também de amizade, amor e força para tentar mudar o que está mal.

Aconselho o livro mas também o filme, que estreará em Portugal em Outubro.

2 comentários:

cycle disse...

Gostava de encontrar uma branca a servir uma preta. Gostava, pronto! Coisas...

krasiva disse...

Lol...já é capaz de haver... qd souber de um caso aviso